maxresdefault-2

Chegamos ao quarto filme de super-herói do ano, X-men:Apocalipse. Não tão aguardado quanto Batman V Superman, Capitão América: Guerra Civil, e nem Deadpool. O filme está passando despercebido pelos fãs de cinema e quadrinhos, mas é justificado, pois sofremos muito nas mãos da empresa detentora de seus direitos (FOX), tivemos que aguentar recentemente um filme odioso que é Quarteto Fantástico (2015), e mais atrás, X-men:O Confronto Final, X-men Origens: Wolverine, e todos os filmes do Quarteto Fantástico. O filme é o mais fiel aos quadrinhos de toda a franquia X-men (exceto Deadpool, é claro).

O filme possui muitos erros técnicos e de roteiro, mas se você ignorar os erros, tudo passa a ficar mais divertido. Quando eu estava vendo o filme no cinema, me pareceu que eu estava vendo um episódio de X-men Evolution. O filme também possui muitas cenas lindas, como uma do Magneto no qual Michael Fassbender o interpreta perfeitamente, uma da Jean Grey, e entre várias outras. Um dos pontos fortes do filme é a volta do Mercúrio, que já havia sido apresentado em X-men: Dias de um Futuro Esquecido, e é novamente interpretado de forma magistral por Evan Peters (American Horror Story), o personagem foi protagonista da melhor cena do filme anterior, e volta a fazê-lo, agora com muito mais tempo em tela.

Os personagens em geral estão bons, mas novamente nos empurram uma Mística, que nada atribui à trama do filme, sem graça e antipática. Mas ela não é a única sem nenhuma importância na trama, o Anjo é totalmente desnecessário, a Psylocke que é uma personagem tão legal nos quadrinhos, é pouco aproveitada. Pelo menos a FOX nos deu um Ciclope, que apesar de ser pouco explorado, não é um bundão como o antigo. O vilão chamado Apocalipse cumpre o que seu nome sugere, e apesar de não ser fiel aos quadrinhos, é melhor que qualquer vilão da Marvel. O filme apesar desses problemas é bom, divertido, dramático em algumas partes, e engraçado. Vale a pena você gastar um pouco do seu tempo para assistir X-men: Apocalipse.

  • Ric Slater

    “Sou seu primeiro comentário”