Olá Reseters! A quanto tempo!

Apesar de todo esse tempo sem escrever aqui no site, não fiquei parado e estou cada vez mais mergulhando no mundo dos games da atual geração. E para dar continuidade nas postagens de análise, vamos falar de um dos games mais aguardados do ano! Metal Gear Solid 5 – The Phanton Pain!

Para começar quero deixar algo bem claro, eu nunca fui um jogador de Metal Gear! Joguei um pouco o 4 no PS3, porém não o suficiente para conhecer muito daquele universo, então minha análise será baseada majoritariamente nas primeiras horas desse jogo!

The Phanton Pain começa 9 anos depois dos acontecimentos do Ground Zeros (jogo lançado no ano passado), nesse intervalo entre os jogos nosso querido Snake (ou Big Boss, ou Naked Snake, ou agora Venon Snake o.O) ficou em coma por conta da explosão de uma bomba no seu helicóptero (não preciso entrar em detalhes do acontecimento não é?), até finalmente acordar em um hospital militar. Porém como nosso protagonista não tem sossego,  uma organização é enviada mara mata-lo, e então se inicia a fuga.

Essa introdução é bem confusa, se por um lado uma aparente tropa militar quer mata-lo, por outro lado dois seres misteriosos (um homem pegando fogo e uma garota fantasma telecinética) também, e no meio do fogo cruzado você é obrigado a controlar um Snake completamente debilitado em fuga. E ai que vemos a tão famosa narrativa do Hideo Kojima em ação, o criador da franquia, diretor e game designer mostra porque seu nome é tão famoso na história do videogame, criando cenas que vão do terror ao suspense apenas nessa introdução, ele consegue literalmente prender seu fôlego em algumas sequencias de tensão.

Depois de 9 anos de coma, Big Boss vai ter que reaprender a andar.

Porém logo após essa arrepiante introdução, o aspecto do jogo muda completamente, de um ambiente totalmente controlado pelo Kojima, para um gigantesco mundo aberto, onde você irá construir sua história, e desenvolver seu método de jogabilidade.

Como todos sabem Metal Gear é um jogo de espionagem tática, ou seja, a furtividade e o planejamento são suas principais armas. Então você que gosta de bancar o Rambo e sair metendo chumbo grosso para todo lado não será tão bem recompensado quanto quem entrar na base, resgatar o refém e sair sem matar ninguém nem ser visto. E essa recompensa é muito importante, visto que os pontos ganhos no final das missões são maiores para os furtivos, proporcionando uma melhor evolução nos seus equipamentos, e desenvolvimento da sua base secreta.

O vasto mundo aberto de MGS5 é incrível!

O vasto mundo aberto de MGS5 é incrível!

Bem! Até onde eu joguei (16h de jogo e 4% do jogo) o objetivo básico é: Sua antiga base (Motherbase) foi destruída por uma organização secreta, e você agora tem que reunir recursos e homens para reconstrui-la e obter sua vingança.

A jogabilidade de Metal Gear é algo fora do comum, são tantas opções de itens, táticas, ferramentas para concluir a missão que é fácil se perder no meio do caminho. Além de ser bastante desafiador por alguns motivos bem simples, não tem um minimapa na tela do jogo onde mostra os inimigos e caso você não faça um levantamento das forças inimigas ao redor das bases, usando um binóculos para mapear a posição das tropas, você pode ser facilmente surpreendido por um guarda qualquer na próxima esquina, que eventualmente pode colocar a base toda em alerta para sua presença. A inteligência artificial (apesar de alguns momentos de burrice) é muito mais desafiadora que na maioria dos jogos.

O mestre Kojima pode ser recrutado para sua base

Até agora o único ponto negativo que achei foi o controle do D-Horse (o cavalo usado por Snake), que não é nada fluido, apesar de demonstrar força e peso, ele parece quase uma besta descontrolada, passando por cima de pedras e se jogando nos penhascos feito um louco.

Depois de escrever tanto sobre o jogo, o que me resta falar de Metal Gear 5 – The Phanton Pain, que é a despedida do criador Hideo Kojima, tanto da franquia quanto da produtora Konami, é que é um jogo Fantástico! Que chegou para concorrer a jogo do ano sem dever nada para os concorrentes! E apesar de não ser um grande conhecedor da franquia MGS, Phanton Pain parece honrar toda a série e trazer um final épico e grandioso para a franquia!

A evolução dos Snakes ao longo dos anos

A evolução dos Snakes ao longo dos anos

Metal Gear Solid V - Primeiras Impressões
Gráficos10
Jogabilidade9.8
Som10
Diversão10
0Overall Score

About The Author

Gerente de Conteúdo, Podcaster e tudo mais de função que sobrar! Curte ficar jogando pelas madrugadas com uma boa cerveja e uma xícara de café enquanto atrasa a edição do Resetcast!