ERA UMA VEZ, uma Grande Guerra. Nela, a morte rege com esplendor de um Deus. O seu domínio é cruel, e sua lei é inquebrável. Nela, as trevas lutam entre si.

Se as sombras ganhassem forma humana, e pelo sangue se compactuassem, seu mestre se chamaria… Cízia, a Má.

O Trono

MAS AQUELE NÃO ERA ESTE DIA. Era só mais uma batalha. As entidades alheias tentavam sucumbir as trevas de Cízia, o que ela jamais permitira, pois agora ela entendia. Um vento estranho urrou e escancarou as janelas e seus vidros explodiram nas paredes. O impacto foi forte.

Os lençóis esvoaçaram e as velas se apagaram. O vestido desenhava sua silhueta, e parecia querer lhe despir. Parecia ter vida própria, mas a violência com que se agitava provinha da cólera de Cízia.

Eles estavam tomando sua mente. Os demônios. Eram muitos.

É difícil lutar com vários deles ao mesmo tempo. As suas trevas havia feito um escudo em seu coração, e por isso ela resistia. Toda sua pele estava escura agora, como seus olhos.

De repente todos eles começaram a gritar. Um tremor fez tudo vibrar, e nesse instante Cízia viu… Havia corpos nas paredes. Por todo o castelo havia corpos nas paredes. E ao mesmo tempo eles a tinham deixado em paz. As vozes sumiram, e seus joelhos cederam em protesto. Toda a agitação se acalmou.

Foi então quando a porta se abriu.

– Oh, Edgar! – O fôlego estava por um fio, e seu nome quase não fora proferido pela rouquidão.

De inicio houve certa hesitação. Ele não a reconheceu pela sua cor, seus olhos. Mas os traços singelos que só a ela pertencia fora o suficiente para, em um pulo, ela estar em seus braços. Trêmula como uma criança que viu um fantasma.

– Shhhh. Minha querida, eles me prenderam – Ele a apertou contra seu peito, como um pedido de desculpas. Sua voz estava falha pelo tom baixo que dizia, com certo padecer – Mas agora o rei está morto.

A frieza, não só com que contava sobre a morte imediata do seu pai, mas com o desprezo explícito que não referi-lo chamando de pai.

– Disseram que foi picado por uma aranha. Estranho, nunca vi aranhas por aqui.

Cízia emudeceu.

About The Author

Escritor, apaixonado. Pequeno escorpião. Viciado em livros e em Tolkien. Amante da lua nas madrugadas de insônia.